top of page

Tocantins contra práticas ilegais do MST: Agindo dentro da lei!




O Movimento Sem Terra (MST) é uma organização social que luta pela reforma agrária, buscando a ocupação de terras improdutivas em todo o país. No entanto, a luta pela terra não pode ser feita de forma ilegal, desrespeitando a lei e os direitos dos proprietários. Como tem ocorrido no governo atual, no qual o movimento invadiu terras de plantação de eucalipto com a simples e desinformada desculpa de que "não comemos eucalipto.


No Tocantins, o Governo tem agido para combater as práticas ilegais do MST, que incluem invasões de propriedades privadas, danos ao patrimônio e ameaças aos proprietários. O Secretário de Segurança Pública do estado juntamente com o governador Wanderley Barbosa, tem liderado essa ação legal contra o movimento, buscando garantir o cumprimento da lei e a ordem pública.


As invasões de propriedades privadas pelo MST têm gerado conflitos e insegurança no campo. Além disso, essas ações prejudicam a produção agropecuária e geram prejuízos aos proprietários, muitos dos quais investiram suas vidas e economias na produção rural. É preciso respeitar a propriedade privada e buscar soluções justas e legais para a questão agrária.


O Governo do Tocantins tem atuado para garantir o direito à propriedade e o respeito à lei. A Secretaria de Segurança Pública tem realizado operações para retirada de invasores, com o uso da força policial apenas quando necessário e respeitando os direitos humanos. Além disso, o Governo tem buscado soluções negociadas, com diálogo entre as partes envolvidas e a busca de alternativas para resolver a questão da terra.


Em resumo, é preciso lembrar que a luta pela reforma agrária deve ser feita dentro da lei e com respeito aos direitos dos proprietários. As práticas ilegais do MST prejudicam a todos e geram insegurança no campo. O Governo do Tocantins tem agido de forma correta ao buscar soluções legais e justas para a questão agrária, garantindo o direito à propriedade e a ordem pública.

106 visualizações0 comentário
bottom of page