MONARK E ADRILLES, LIBERDADE DE EXPRESSÃO OU CRIME?




Esta semana alguns comunicadores foram desligados dos seus respectivos programas, por manifestações ou falas as quais expunham suas opiniões em programas de comunicação e jornalismo opinativo, o primeiro caso ocorreu com o youtuber Monark, este foi desligado do canal Flow Podcast, por supostamente fazer apologia ao nazismo, no episódio Monark argumentou: “deveria ter um partido nazista legalizado no Brasil”, a fala é extremamente polêmica e a ideologia nazista deve ser repudiada veementemente.


No outro lado da Internet, o jornalista Adrilles Jorge, foi demitido ao fazer um suposto gesto nazista ao despedir-se do programa opinião da jovem pan, Adrilles Jorge fez um sinal de tchau com a mão aberta, gesto que de acordo com a jovem pan foi intencionalmente feito pelo jornalista para fazer referência ao nazismo.


Caso Monark


Como já pontuado, Monark defendeu a criação de um partido nazista ser legalizado no Brasil, no entanto, ao analisar o vídeo apesar de discordar da opinião do youtuber, e, particularmente não ser simpático a Monark, bem como, discordo não apenas desta opinião mas da maioria dos seus posicionamentos, não vislumbra-se no vídeo apologia ao movimento nazista e sim apologia a liberdade de expressão de forma exagerada, quase que anárquica.


Deste modo, tendo em vista que no direito penal pune-se a intenção do agente, e, especificamente neste caso vejo a desnecessidade de mover a máquina pública para investigar um caso que claramente apesar da alusão a um ideologia perversa, não passa de uma opinião e não de um início de um movimento para incentivar o nazismo.


Há dois anos a Filósofa Marcia Tiburi (militante da esquerda), disse claramente que é a favor do assalto o fato passou despercebido e parece que está tudo bem falar diretamente que é a favor de um crime como assalto em um programa, como se fosse normal e antes que algum leitor canhoto venha criticar, dizendo que estou comparando o assalto ao nazismo, podemos resgatar uma fala de um ex-presidiário que é pré-candidato a presidente da república, vejamos:


“PLAYBOY – HÁ ALGUMA FIGURA DE RENOME QUE TENHA INSPIRADO VOCÊ? ALGUÉM DE AGORA OU DO PASSADO?

LULA [PENSA UM POUCO]- HÁ ALGUMAS FIGURAS QUE EU ADMIRO MUITO, SEM CONTAR O NOSSO TIRADENTES E OUTROS QUE FIZERAM MUITO PELA INDEPENDÊNCIA DO BRASIL (…). UM CARA QUE ME EMOCIONA MUITO É O GANDHI (…). OUTRO QUE EU ADMIRO MUITO É O CHE GUEVARA, QUE SE DEDICOU INTEIRAMENTE À SUA CAUSA. ESSA DEDICAÇÃO É QUE ME FAZ ADMIRAR UM HOMEM.

PLAYBOY – A AÇÃO E A IDEOLOGIA?

LULA – NÃO ESTÁ EM JOGO A IDEOLOGIA, O QUE ELE PENSAVA, MAS A ATITUDE, A DEDICAÇÃO. SE TODO MUNDO DESSE UM POUCO DE SI COMO ELES, AS COISAS NÃO ANDARIAM COMO ANDAM NO MUNDO. (…)

PLAYBOY – ALGUÉM MAIS QUE VOCÊ ADMIRA?

LULA [PAUSA, OLHANDO AS PAREDES] – O MAO TSE-TUNG TAMBÉM LUTOU POR AQUILO QUE ACHAVA CERTO, LUTOU PARA TRANSFORMAR ALGUMA COISA.

PLAYBOY – DIGA MAIS…

LULA – POR EXEMPLO… O HITLER, MESMO ERRADO, TINHA AQUILO QUE EU ADMIRO NUM HOMEM, O FOGO DE SE PROPOR A FAZER ALGUMA COISA E TENTAR FAZER.

PLAYBOY – QUER DIZER QUE VOCÊ ADMIRA O ADOLFO?

LULA – [ENFÁTICO] NÃO, NÃO. O QUE EU ADMIRO É A DISPOSIÇÃO, A FORÇA, A DEDICAÇÃO. É DIFERENTE DE ADMIRAR AS IDÉIAS DELE, A IDEOLOGIA DELE.”


Observa-se que Luís Inácio Lula da Silva (ex-presidiário), não disse que admirava Adolf Hitler e muito menos a ideologia, disse apenas que admirava algumas das suas atitudes, um absurdo por si só, assim como Monark que não disse que apoiava o movimento apenas defendeu a legalização de um partido com uma ideologia repugnante, veja que nenhum dos dois defenderam o nazismo em si, já a Filósofa Marcia Tiburi disse diretamente que apoia o assalto, é quase que impossível alguém em sã consciência diga absurdos como estes, no caso de Monark, pelos menos confessou estar bêbado e pediu perdão ao público em geral, os outros poderiam usar a mesma desculpa que caberia como uma luva.


Caso Adrilles Jorge


Neste caso observa-se que o jornalista despediu-se justamente quando comparava o nazismo ao comunismo, especificando que o movimento comunista matou mais seres humanos que o nazismo (o que é um fato), ao meu ver as duas ideologias devem ser combatidas, ambas ideologias tem muito em comum, mas é assunto para outro texto devido aos fatos históricos que devem ser expostos antes de adentrar ao assunto, resumidamente para pincelar o tema o comunismo tem raízes econômicas e o nazismo têm raízes no antissemitismo, racismo..., o fato é que assim como no caso Monark, neste caso é simplesmente claro que Adrilles é contra o nazismo, foi justamente o que ele falou em seu posicionamento no programa, o que não é claro é se o gesto foi intencional ou não, tendo em vista que em várias outras participações o jornalista faz o mesmo gesto, mesmo tratando de assuntos diferentes, conclui-se que não dá pra afirmar com absoluta certeza que o jornalista fez o gesto intencionalmente é necessário muita cautela para não imputar falsamente crime a quem não cometeu.


Não obstante, vamos analisar a hipótese na qual Adrilles fez o gesto para saudar o nazismo de forma debochada e simplesmente idiota, nesta situação hipotética, não se vê nenhuma intenção por parte do jornalista em engrandecer a ideologia, foi apenas uma brincadeira de mal gosto que não deve ser replicada, a questão é:


No Brasil Estamos caminhando em um campo minado, no qual palavras e gestos podem explodir e serão punidos os alvos escolhidos a dedo, porque o que parece que importa é quem falou e o que defende, tendo em vista que a depender do agente causador da polêmica será apenas liberdade de expressão, mas o mesmo dito por quem não segue a cartilha politicamente correta, este será punido severamente e julgado por um grupo com uma ideologia direcionada e a interpretação será conforme quem disse e não o que disse o importante mesmo é que cumpra a cartilha comportamental de alguma ordem superior que dita um padrão de comportamento social.



Wasthen Menezes

Fundador do Opinativo Político

Bacharel em Direito

Jurista

Empreendedor













73 visualizações0 comentário